Hotelaria 4.0

O melhor do mundo da Tecnologia aplicado à realidade da Hotelaria.

O que é o Business Intelligence e para que serve na Hotelaria?

Publicado a 01 FEVEREIRO'17, por PAULO LOPES em Operações Hoteleiras, Gestão

O Business Intelligence é sem dúvida uma das buzzwords do panorama internacional. Com as tecnologias da informação a provocar muito impacto nas empresas e na forma como olhamos para os negócios, actualmente, para acompanhar as tendências é preciso inovar constantemente e ter como suporte as próprias tecnologias, de forma a poderem ser tomadas decisões assertivas e inteligentes.
 
No entanto, embora a ‘moda’ se tenha acentuado nos últimos anos, o termo Business Intelligence foi originalmente criado por Richard Millar Devens em 1865, na sua obra Cyclopaedia of Commercial and Businness Anecdotes. Nesta, o autor usou o termo para ilustrar como o bancário, Sir Henry Firnesse, lucrou recebendo e agindo em cima de informações sobre o ambiente, antes dos seus concorrentes. E na realidade, o conceito já era também aplicado pelas antigas civilizações - por exemplo, os antigos povos do oriente utilizavam alguns conceitos básicos de BI quando faziam o cruzamento de informação obtida da natureza (como a análise dos períodos de chuva e seca) em beneficio das suas colheitas, ou mesmo quando analisavam o comportamento das marés e a sua influência na pesca. Estes dados permitiam obter informações que já serviam à tomada de decisões importantes.
 
Tal como Sun Tzu refere em A Arte da Guerra, “para vencer, a pessoa deve deter todo o conhecimento das suas fraquezas e virtudes, e principalmente conhecer as fraquezas e virtudes do seu inimigo, pois a falta desse conhecimento pode resultar na derrota”. Transpondo esse conceito para o mundo dos negócios, é fácil perceber que cada empresa deve ter conhecimento das suas capacidades e dos seus pontos fracos, mas também das tendências do mercado e ainda saber identificar as suas empresas concorrentes.
 
O conceito de Business Intelligence não é portanto mais do que o conhecimento que cada empresa deve possuir do seu negócio e dos seus clientes nesta era da globalização, permitindo desta forma analisar pontos fracos e fortes e realizar um planeamento que permita encontrar soluções estratégicas para o seu negócio.
 
Cada vez mais a tomada de decisões deve assentar no conhecimento de dados referentes à operação e menos no ‘feeling’ do gestor, em ferramentas como o ‘achometro’, ou em operações de tentativa e erro. O objetivo principal do Business Intelligence não é mais que a transformar dados em informação, que resultará em decisões, que se transformarão em ações desta feita assentes em conhecimento, como descrito na chamada Hierarquia da Inteligência definida por Liebowitz.
 
Passando à prática: imaginemos que enquanto hoteleiro procuro cativar o mercado asiático e pretendo fazer a divulgação da minha unidade em feiras e outras ações. Para o efeito será importante saber após a análise de dados que este tipo de hóspede reserva com uma antecedência mínima de 9 meses. Ou se possuo um resort virado para o segmento do golfe, será interessante perceber que os nórdicos têm uma estadia média de 20 dias, pelo que de pouco vale fazer promoções de 8 noites + 2 noites.
 
Felizmente, hoje em dia, as informações que o Business Intelligence permite obter vão muito para além da análise do Revenue Management. Fazendo uso do Big Data, podem obter-se variados dados preciosos em diversas tomadas de decisão, como por exemplo:
  • Padrões de cancelamento de reservas
  • Padrões de antecedência de reservas 
  • Relação entre receitas e custos versus ocupação/segmentação dos hóspedes
  • Previsões de receitas de departamentos além do alojamento em função da segmentação de hóspedes
  • Optimização de compras e stocks em função da previsão de ocupação
  • Entre muitas outras.
 
Cada vez mais o Business Intelligence é usado em grandes cadeias hoteleiras internacionais - Marriot, Hilton, Konover Hotel Group, entre muitos outros - assim como por outros players da industria como a Booking ou a Expedia. 
 
A verdade é que veio para ficar, tem ainda muito para dar e as vantagens são imensas. Por exemplo:
  • Permite identificar melhor os dados e medir efetividade
  • Permite um maior controlo nas receitas e despesas
  • Permite planear e simular com maior assertividade, adiantando ações em relação a fatores externos
  • Permite potenciar o retorno sobre investimento (ROI) no Marketing
  • Oferece uma maior velocidade na análise de informações tornando-se mais competitivo
 
No entanto para podermos ter toda esta informação, não podemos esquecer que um dos principais pilares neste processo é o Data Mining que consiste em três etapas fundamentais:
  • Setup das bases de dados
  • Prospeção de dados
  • Validação de resultados
 
Uma vez mais, a chave do sucesso está sempre relacionada com a qualidade dos dados obtidos.
 
Assim, podemos concluir que no panorama atual, possuir uma solução de BI já não é só recomendável, mas essencial pois permite às empresas analisar rapidamente diversas fontes de informação e transformá-las em oportunidades de negócio. Aliando a análise de dados ao conhecimento do gestor, mais rapidamente se chega a uma operação de sucesso.
Sobre o Autor

Paulo Lopes

Com mais de 15 anos de experiência comercial e na gestão de equipas - na venda direta e online - é formado em Relações Públicas & Publicidade. Chega à ITBase / WareGuest em 2007, onde assume a vertente web, acompanhando em simultâneo projetos relacionados com o Retalho, a Restauração e sobretudo a Hotelaria. Especialista no desenvolvimento de estratégia de vendas, assume atualmente o papel de VP of Sales.

Artigos Relacionados

Como tirar partido da Meteorologia para uma melhor Gestão Hoteleira?

Na continuação dos posts sobre as diversas fontes de dados que estão à disposição dos hoteleiros para reunir informação importante para a tomada de decisão, neste post venho falar da meteorologia, algo que todos os hoteleiros sabem intrinsecamente que tem impacto na atividade hoteleira, mas que muito raramente tiram partido da facilidade com que se tem acesso a estes dados.

19.out.2017

Os preços enquanto fontes de dados

Continuando a abordar as diversas fontes de dados que estão à disposição dos hoteleiros para reunir informação importante na tomada de decisão, debruço-me agora sobre os preços - sobretudo aqueles a que os consumidores têm acesso online.

14.set.2017

Fontes de Dados: o Pilar do Business Analytics

A hierarquia da inteligência, no âmbito do Business Intelligence, reconhece que, para alcançar conhecimento e transformá-lo em sabedoria, é necessário haver informação de qualidade, sendo a informação o resultado do processamento, organização e estruturação dos dados, num determinado contexto. Pode por isso dizer-se que os dados são a base da sabedoria. Sem dados, não poderemos ter informações relacionadas com negócios, extrair conhecimento dos mesmos e tomar decisões informadas e sensatas. Conforme referido pelo Professor W. Edwards Deming, conhecido estatístico: “confiamos em Deus; todos os outros tragam dados”.

18.mai.2017

Artigos Recentes

Como tirar partido da Meteorologia para uma melhor Gestão Hoteleira?

19.out.2017

Os preços enquanto fontes de dados

14.set.2017

Como está a sua Reputação Social?

21.jun.2017