Hotelaria 4.0

O melhor do mundo da Tecnologia aplicado à realidade da Hotelaria.

Venha de lá o ciberhoteleiro!

Publicado a 04 JANEIRO'17, por CARLOS SOARES em Segurança

- Onde estão os meus dados?
- E se eu ficar sem Internet?

Estas eram perguntas que há 10 anos me colocavam quando andava pelos hotéis a falar de sistemas na cloud. São perguntas perfeitamente legítimas e que encerram um conjunto de preocupações importantes para quem tinha a obrigação de manter um negócio a funcionar. Existia nelas uma profunda inquietação com a continuidade do negócio, uma análise aos riscos subjacentes a determinada tecnologia, ponderando até que ponto estaria o negócio seguro.

Entretanto o tempo passou e a cloud foi sendo cada vez mais adotada. Cada vez vemos mais tecnologia presente em todas as áreas e atividades de um hotel, cada vez mais tudo está interligado pela rede ou pela Internet, tudo está mais acessível, tudo está ou funciona melhor via Internet. Agora temos a Internet das coisas (IoT – Internet of Things na sua versão em inglês), a inteligência artificial (AI) e a realidade virtual (VR).

Já muitos hotéis têm, para além dos sistemas informáticos de gestão, muitos outros sistemas que só funcionam se ligados à rede ou à Internet: sistemas de pagamento, sistemas de reserva, sistemas de fechaduras, sistemas de climatização, vídeo vigilância, sistemas de gestão energética e por aí fora que o céu é o limite!

Então e as preocupações? Está a tecnologia assim tão madura e segura que desapareceram em 10 anos?

Sinto que talvez tenham desaparecido algumas das preocupações, no entanto com esta cada vez maior presença da tecnologia na hotelaria e nas nossas vidas, a verdade é que o conjunto de preocupações deveria ter aumentado. E muito.

Desde sempre apostei em acompanhar esta evolução tecnológica e as preocupações com ela relacionadas, assim o reforço de conhecimento na área dos desafios ligados à cibersegurança e privacidade de dados esteve sempre presente, procurando antecipar os desafios que se colocam na aplicação de tecnologia à indústria hoteleira e não só. Desta forma, faz todo o sentido que dedique o espaço que me foi concedido neste blog para abordar estas (ciber) preocupações, procurando deslindar de forma o mais direta possível estes desafios. Irei também procurar antecipar algumas das questões tecnológicas e éticas, não tão imediatas, mas que podem e devem ser debatidas, esclarecidas e amadurecidas antes que tenham impacto no negócio.   

Na minha opinião, à continuidade de negócio, segurança e privacidade, que já eram áreas que um hoteleiro devia compreender, acresce uma nova dimensão, a dimensão da tecnologia e, portanto, o prefixo ciber passou – ou deve passar – a fazer parte das preocupações estratégicas e de operação. Venha de lá o ciberhoteleiro! Assim, o hoteleiro deve não só familiarizar-se com a tecnologia na perspetiva da utilização, mas também compreender a relação risco / beneficio desta, o seu impacto no negócio, desenvolvendo o seu alinhamento com o plano estratégico não esquecendo nunca o respetivo enquadramento legal. Algumas destas áreas já possuem, ou encontra-se em fase de conclusão, legislação nacional e comunitária que enquadra as necessidades, obrigações, responsabilidades e penalizações de entidades singulares e coletivas.

Acerca destes temas é preciso não esquecer que os diversos sistemas hoteleiros possuem um conjunto de dados bastante alargado não só acerca do seu negócio, mas também acerca dos seus hóspedes. Por outro lado, é necessário atender a que o número de ciberataques registados na indústria hoteleira tem vindo a aumentar desde 2014 e que isso significa que são um alvo. Em maio deste ano, Bob Braun, um prestigiado advogado ligado à indústria hoteleira há mais de 20 anos e especializado em questões de segurança, resumiu no seu artigo 5 key issues in hotel cybersecurity as conclusões da sua participação num painel de discussão durante a Meet the Money Conference®, em Los Angeles e que se podem resumir em:

- Conformidade não é segurança

- Resposta informada é melhor que resposta imediata

- Cartões de crédito não são o único risco

- Não existe cibersegurança sem atender ao fator humano

- É necessária uma cultura de cibersegurança nos hotéis

Assim, e agora que já deixei uma pista dos desafios em causa, este será o meu ponto de partida para os próximos artigos, procurando assim contribuir para traduzir estas questões para a realidade hoteleira e apontar caminhos aos possíveis ciberhoteleiros na solução destes desafios prementes.

Sobre o Autor

Carlos Soares

Com uma experiência acumulada de mais de 15 anos em Consultoria Estratégica de TI para diferentes tipos de entidades, a nível nacional e internacional, especializou-se na área da Segurança de Informação e assume a gestão da ITBase / WareGuest enquanto CEO.

Artigos Relacionados

#VontadedeChorar? O que me espanta é tanto espanto!

Ignorar os eventos do passado dia 12 de Maio seria, na realidade, um exercício muito difícil. E como já lá vão 2 semanas – o que no mundo tecnológico é uma eternidade – e muita gente já limpou as lágrimas, irei então voltar ao tema da segurança informática, nomeadamente do ransomware para o qual já tinha alertado em fevereiro deste ano – recordam-se?

24.mai.2017

Recolha de dados pessoais - se a legislação obriga, então porquê tanta confusão?

Tendo em consideração que a hotelaria procede, por força de Lei, à recolha, tratamento, retenção e transmissão de dados pessoais, importa atender à forma, legalidade e procedimentos relativos a este processo.

05.abr.2017

Ciberequipa Hoteleira

Na sua unidade hoteleira são, sem qualquer dúvida, os elementos da sua equipa os principais atores na prevenção, deteção e mitigação de riscos e ameaças. Um ambiente seguro, seja ele físico ou digital, depende em primeira instância das pessoas e da capacidade que estas possuem para prevenir, detetar e reagir relativamente a potenciais riscos de segurança.

02.mar.2017

Artigos Recentes

Como tirar partido da Meteorologia para uma melhor Gestão Hoteleira?

19.out.2017

Os preços enquanto fontes de dados

14.set.2017

Como está a sua Reputação Social?

21.jun.2017