Hotelaria 4.0

O melhor do mundo da Tecnologia aplicado à realidade da Hotelaria.

Venha de lá o ciberhoteleiro!

Publicado a 04 JANEIRO'17, por CARLOS SOARES em Segurança

- Onde estão os meus dados?
- E se eu ficar sem Internet?

Estas eram perguntas que há 10 anos me colocavam quando andava pelos hotéis a falar de sistemas na cloud. São perguntas perfeitamente legítimas e que encerram um conjunto de preocupações importantes para quem tinha a obrigação de manter um negócio a funcionar. Existia nelas uma profunda inquietação com a continuidade do negócio, uma análise aos riscos subjacentes a determinada tecnologia, ponderando até que ponto estaria o negócio seguro.

Entretanto o tempo passou e a cloud foi sendo cada vez mais adotada. Cada vez vemos mais tecnologia presente em todas as áreas e atividades de um hotel, cada vez mais tudo está interligado pela rede ou pela Internet, tudo está mais acessível, tudo está ou funciona melhor via Internet. Agora temos a Internet das coisas (IoT – Internet of Things na sua versão em inglês), a inteligência artificial (AI) e a realidade virtual (VR).

Já muitos hotéis têm, para além dos sistemas informáticos de gestão, muitos outros sistemas que só funcionam se ligados à rede ou à Internet: sistemas de pagamento, sistemas de reserva, sistemas de fechaduras, sistemas de climatização, vídeo vigilância, sistemas de gestão energética e por aí fora que o céu é o limite!

Então e as preocupações? Está a tecnologia assim tão madura e segura que desapareceram em 10 anos?

Sinto que talvez tenham desaparecido algumas das preocupações, no entanto com esta cada vez maior presença da tecnologia na hotelaria e nas nossas vidas, a verdade é que o conjunto de preocupações deveria ter aumentado. E muito.

Desde sempre apostei em acompanhar esta evolução tecnológica e as preocupações com ela relacionadas, assim o reforço de conhecimento na área dos desafios ligados à cibersegurança e privacidade de dados esteve sempre presente, procurando antecipar os desafios que se colocam na aplicação de tecnologia à indústria hoteleira e não só. Desta forma, faz todo o sentido que dedique o espaço que me foi concedido neste blog para abordar estas (ciber) preocupações, procurando deslindar de forma o mais direta possível estes desafios. Irei também procurar antecipar algumas das questões tecnológicas e éticas, não tão imediatas, mas que podem e devem ser debatidas, esclarecidas e amadurecidas antes que tenham impacto no negócio.   

Na minha opinião, à continuidade de negócio, segurança e privacidade, que já eram áreas que um hoteleiro devia compreender, acresce uma nova dimensão, a dimensão da tecnologia e, portanto, o prefixo ciber passou – ou deve passar – a fazer parte das preocupações estratégicas e de operação. Venha de lá o ciberhoteleiro! Assim, o hoteleiro deve não só familiarizar-se com a tecnologia na perspetiva da utilização, mas também compreender a relação risco / beneficio desta, o seu impacto no negócio, desenvolvendo o seu alinhamento com o plano estratégico não esquecendo nunca o respetivo enquadramento legal. Algumas destas áreas já possuem, ou encontra-se em fase de conclusão, legislação nacional e comunitária que enquadra as necessidades, obrigações, responsabilidades e penalizações de entidades singulares e coletivas.

Acerca destes temas é preciso não esquecer que os diversos sistemas hoteleiros possuem um conjunto de dados bastante alargado não só acerca do seu negócio, mas também acerca dos seus hóspedes. Por outro lado, é necessário atender a que o número de ciberataques registados na indústria hoteleira tem vindo a aumentar desde 2014 e que isso significa que são um alvo. Em maio deste ano, Bob Braun, um prestigiado advogado ligado à indústria hoteleira há mais de 20 anos e especializado em questões de segurança, resumiu no seu artigo 5 key issues in hotel cybersecurity as conclusões da sua participação num painel de discussão durante a Meet the Money Conference®, em Los Angeles e que se podem resumir em:

- Conformidade não é segurança

- Resposta informada é melhor que resposta imediata

- Cartões de crédito não são o único risco

- Não existe cibersegurança sem atender ao fator humano

- É necessária uma cultura de cibersegurança nos hotéis

Assim, e agora que já deixei uma pista dos desafios em causa, este será o meu ponto de partida para os próximos artigos, procurando assim contribuir para traduzir estas questões para a realidade hoteleira e apontar caminhos aos possíveis ciberhoteleiros na solução destes desafios prementes.

Sobre o Autor

Carlos Soares

Com uma experiência acumulada de mais de 15 anos em Consultoria Estratégica de TI para diferentes tipos de entidades, a nível nacional e internacional, especializou-se na área da Segurança de Informação e assume a gestão da ITBase / WareGuest enquanto CEO.

Artigos Relacionados

Socorro, o meu Hotel foi sequestrado!

No meu artigo "Venha de lá o Ciberhoteleiro!", prometi abordar os temas da continuidade de negócio, segurança e privacidade no âmbito da cibersegurança. Temo até que por esta altura já me apelidem de “O paranoico de serviço”. Não porque me queiram menosprezar ou a outros que, como eu, padecem desta condição clínica, mas por parecer corresponder ao comportamento caracterizado por paranoia, com um padrão invasivo de desconfiança e suspeitas generalizadas em relação aos outros, interpretando as suas intenções como malévolas.

15.fev.2017

BIG Cuidado!

No meu post anterior elenquei sem desenvolver aqueles que, de acordo com Bob Braun, são os 5 pontos mais relevantes para a cibersegurança na hotelaria: • Conformidade não é segurança; • Resposta informada é melhor que resposta imediata; • Cartões de crédito não são o único risco; • Não existe cibersegurança sem atender ao fator humano; • É necessária uma cultura de cibersegurança nos hotéis. Nos pontos acima não existe desde logo uma hierarquia, sendo que estão em grande medida interligados. Assim, e porque o objetivo destes artigos é começar a atalhar caminho irei começar por uma questão que liga estes 5 pontos de forma transversal – A privacidade, proteção e tratamento de dados pessoais.

25.jan.2017

Categorias

Arquivo

Artigos Recentes

Socorro, o meu Hotel foi sequestrado!

15.fev.2017

Big Data – aplica-se a todos os Hotéis?

08.fev.2017

O que é o Business Intelligence e para que serve na Hotelaria?

01.fev.2017