Hotelaria 4.0

O melhor do mundo da Tecnologia aplicado à realidade da Hotelaria.

Big Data – aplica-se a todos os Hotéis?

Publicado a 08 FEVEREIRO'17, por NUNO ANTÓNIO em Marketing, Inovação, Gestão

A Gartner, no seu glossário de TI, define Big Data como “conjuntos de dados de grande volume, velocidade e/ou variedade, que exigem formas inovadoras e rentáveis de processamento da informação, permitindo uma visão amplificada para a tomada de decisão e automação de processos” (tradução livre).
 
A definição dos 3 V’s, como é amplamente conhecida, deve-se ao volume (a quantidade de dados), à velocidade (a rapidez de input e output) e à variedade (diversidade de tipos e fontes de dados). E como seria expectável, estes 3 V’s estão também presentes nos dados a que os hotéis têm acesso.
 
Os hotéis armazenam quantidades imensas de dados nos seus sistemas internos - PMS (Property Management System), CRS (Customer Relationship Management) ou ERP (Enterprise Resource Planning). Os hotéis têm acesso a um funil para aquisição de hóspedes através da análise das estatísticas do seu site. Os hotéis têm acesso ao impacto de campanhas/publicidade através de ferramentas como o Adwords ou Facebook. Isto para não falar de outras fontes de dados públicas, que podem também ser de extrema importância para os hotéis, como os comentários e reviews, a meteorologia, a inteligência competitiva (preços e reputação social), as taxas de câmbio das moedas, entre muitas outras fontes. 
 
É compreensível que os hotéis queiram tirar partido do Big Data, usando as quantidades massivas de informação à sua disposição para construir melhores modelos descritivos e assim compreenderem padrões, tendências ou anomalias, por segmentos de hóspedes e outras dimensões, para melhorar a segmentação de hóspedes, ou simplesmente, para identificar relações desconhecidas. Contudo, o verdadeiro potencial do Big Data está no Predictive Analytics - isto é, na elaboração de modelos preditivos, como a procura de alojamento e previsão de revenue, reservas com grande probabilidade de cancelamento, hóspedes que poderão regressar ao hotel, hóspedes dispostos a aceitar realojamento ou outras alternativas em situações de overbooking, entre muitas outras. 
 
Há, contudo, ainda questões que devem ser atendidas antes que estes dados se transformem em informação e posteriormente em conhecimento sobre o qual se possa agir. Nomeadamente: 
 

1) QUALIDADE DE DADOS

É comum que os dados fiquem aquém do desejado em termos de qualidade, com valores em falta, duplicados ou incorretos. Por exemplo, é usual encontrar em hotéis múltiplos perfis para o mesmo hóspede; ou encontrar hóspedes cujo perfil tem vários campos por preencher ou com informação incorreta, como moradas incompletas, números de telefone desatualizados ou a segmentação classificada erradamente. Sem uma boa qualidade de dados é impossível extrair informação fiável dos mesmos
 

2) CAPACIDADE TÉCNICA

Para processar atempadamente grandes volumes de dados de diferentes fontes, é necessária não só boa capacidade computacional, mas também de armazenamento. Isto traduz-se num investimento considerável em infraestruturas técnicas para extrair, transformar e processar dados. 
 

3) RECURSOS HUMANOS

Nada disto pode ser concretizado sem colaboradores dedicados a esta tarefa, como data analysts, data scientists ou pelo menos gestores com boas capacidades de análise, essenciais para executar modelos, entender a análise e tomar decisões com base nos mesmos. 
 
Estas são limitações que podem ser ultrapassadas investindo em recursos internos ou contratando os mesmos externamente. O importante é que a estratégia para tirar partido do Big Data esteja bem delineada. 
 
Ainda assim, é dispendioso implementar uma estratégia de Big Data, o que não torna fácil o seu acesso para muitos hotéis. Atualmente, estes custos estão apenas ao alcance de algumas cadeias hoteleiras multinacionais, mas a verdade é que com a disponibilização de soluções standard, mais acessíveis e assentes na cloud, o mercado vai-se regulando, acabando por obrigar os preços a baixar, contribuindo para que também pequenas cadeias ou marcas, bem como unidades independentes, possam aproveitar as vantagens do Big Data.  
 
E é por essa mesma razão que quem não apanhar o comboio do Big Data perderá muito provavelmente o seu nível de competitividade para a concorrência mais expedita. 
Sobre o Autor

Nuno António

CTO na ITBase / WareGuest, com um extenso currículo que vai do Ensino Superior à Consultoria de TI e desenvolvimento de software, é perito na análise e estimativa de requisitos para desenvolvimento de aplicações informáticas. Possui um forte grau de especialização em Gestão Hoteleira e Retalho e frequenta atualmente o Doutoramento em Tecnologia e Ciências da Informação.

Artigos Relacionados

Como tirar partido da Meteorologia para uma melhor Gestão Hoteleira?

Na continuação dos posts sobre as diversas fontes de dados que estão à disposição dos hoteleiros para reunir informação importante para a tomada de decisão, neste post venho falar da meteorologia, algo que todos os hoteleiros sabem intrinsecamente que tem impacto na atividade hoteleira, mas que muito raramente tiram partido da facilidade com que se tem acesso a estes dados.

19.out.2017

Os preços enquanto fontes de dados

Continuando a abordar as diversas fontes de dados que estão à disposição dos hoteleiros para reunir informação importante na tomada de decisão, debruço-me agora sobre os preços - sobretudo aqueles a que os consumidores têm acesso online.

14.set.2017

Como está a sua Reputação Social?

Num post anterior falei da importância das diversas fontes de dados para a tomada de decisão em hotelaria. Com este post vou iniciar um conjunto de posts sobre a importância de cada uma das fontes de dados aí mencionadas. A primeira fonte de dados que vou abordar é a reputação social. Escolhi começar pela reputação social não porque está na moda, mas porque é um dos principais influenciadores das compras em hotéis, sendo que alguns estudos, referem mesmo que é o principal fator de decisão, ficando ligeiramente à frente do preço e da localização. A reputação social pode ser utilizada por uma unidade hoteleira para fazer análise comparativa com o seu competitive set, previsão de cancelamentos, previsão da procura, análise de segmentação, entre outro tipo de análises e previsões.

21.jun.2017

Artigos Recentes

Como tirar partido da Meteorologia para uma melhor Gestão Hoteleira?

19.out.2017

Os preços enquanto fontes de dados

14.set.2017

Como está a sua Reputação Social?

21.jun.2017