Hotelaria 4.0

O melhor do mundo da Tecnologia aplicado à realidade da Hotelaria.

O Financiamento da Hotelaria 4.0 pela Indústria 4.0

Publicado a 03 MAIO'17, por JOÃO ESMERALDO em Inovação, Gestão

No último post foram abordados genericamente alguns dos potenciais instrumentos de financiamento da Hotelaria 4.0. Neste vamos aprofundar a estratégia, medidas e instrumentos específicos que, neste preciso momento, estão a ser elaborados e disponibilizados para permitir uma implementação efetiva e célere das medidas.
“Não vamos deixar nenhuma empresa ficar atrás. Vamos fazer da tua empresa e da nossa economia uma líder nesta nova economia digital!” 
– foi com estas palavras que João Vasconcelos, Secretário de Estado da Indústria, apresentou a Estratégia para a Indústria 4.0 onde o Governo anunciou um conjunto de mais de 60 Medidas de Iniciativa Pública e Privada que deverão ter impacto efetivo nas competências digitais de empresas e trabalhadores.
 

 

O que é a “Indústria 4.0”? 

Indústria 4.0 é o nome escolhido para denominar a quarta revolução industrial, que consiste na fusão de métodos de produção com os mais recentes desenvolvimentos na tecnologia de informação e comunicação, impulsionada pela tendência de digitalização da economia e sociedade. A sustentação tecnológica deste desenvolvimento é possível graças a “sistemas ciber-físicos” inteligentes e interligados que permitirão que pessoas, máquinas, equipamentos, sistemas logísticos e produtos comuniquem e cooperem diretamente uns com os outros. 
 

 

E o que é a “Iniciativa para a Indústria 4.0”?

Trata-se da mais recente iniciativa do Ministério da Economia português com o principal objetivo de acelerar a adoção da Indústria 4.0 pelo tecido empresarial português. Entre as medidas mais emblemáticas desta estratégia, destacam-se as de financiamento, com a reprogramação de fundos Europeus estruturais e de investimento, prevendo-se que desta forma se consiga alavancar até 2,26 mil milhões de euros de incentivos, através do Portugal 2020, para a consciencialização, adoção e massificação de tecnologias associadas aos diferentes conceitos de Indústria 4.0, durante os próximos 4 anos. 
 
O objetivo é assim investir em recursos relevantes para acelerar a transformação digital da economia através de financiamentos orientados, aproveitando as oportunidades e sinergias existentes.
 

 

E que medidas concretas pressupõe?

Dentro da reprogramação pretendida dos incentivos dos fundos estruturais do Portugal 2020, já foram selecionadas as medidas iniciais, que poderão desenvolver um conjunto de mecanismos de financiamento destinados a projetos de âmbito i4.0. Estes têm como principal objetivo acelerar os investimentos e a sua adesão através de um conjunto de medidas que visam a concretização dos financiamentos e do apoio ao investimento.
 

Avisos específicos

Lançamento de avisos específicos para a Indústria 4.0 no âmbito do Portugal 2020, através dos seguintes instrumentos: 
  • Vale i4.0 para Micro e Pequenas e Médias Empresas: um apoio destinado a promover o investimento de  PME em projetos no âmbito do desenvolvimento de comércio eletrónico e marketing digital. O vale terá uma dotação unitária de 7.500 euros, pretendendo-se que venha a abranger 1.500 empresas;
  • Qualificação de PME: para criar condições da implementação de medidas de adesão à i4.0 (estudos, informatização), designadamente no âmbito da gestão e do marketing digitais e do comércio eletrónico; 
  • Inovação Produtiva: para implementação de soluções produtivas inovadoras utilizando processos de controle digital; 

  • Programas Mobilizadores de “Investigação e Desenvolvimento Tecnológico”: promoção e criação de incentivos para o desenvolvimento de tecnologias e modelos i4.0 de aplicabilidade transversal e duradoura, com impacto crítico na competitividade do tecido empresarial português. 


 

Linha de crédito de apoio às exportações i4.0

Lançamento de linhas de crédito para o apoio às exportações das PME, através da PME Investimentos. 
Estas linhas permitem antecipar receitas da venda a taxas de juro bonificadas, mitigando o risco de empresas exportadoras de tecnologia inovadora de equipamentos que integram tecnologias 4.0.

 

Acelerador para concurso de incentivos à digitalização no turismo

No caso da importante indústria do turismo, será desenvolvido muito em breve um acelerador para incentivos à digitalização que tem como objetivo sistematizar de forma simples e agregada os diferentes enquadramentos possíveis no âmbito dos programas de incentivo, bem como os requisitos e procedimentos necessários, num roadmap (plano de concursos) para apoio às candidaturas, apostando assim na transparência, simplificação e aceleração de procedimentos.
 

 

Mas e para quando?

Esta é porventura a resposta mais fácil: é para já! Relevando um dinamismo próprio do i4.0, encontram-se já abertos diversos avisos de concursos enquadrados nos Programas Indústria 4.0 e Interface no âmbito do Programa Nacional de Reformas, entre os quais:
  • AAC 07/SI/2017 SI INOVAÇÃO PRODUTIVA – com incentivos reembolsáveis de 40% até 70%, orientados para investimentos produtivos.
  • AAC 12/SI/2017 SI QUALIFICAÇÃO DAS PME – com incentivos entre 40-45% a fundo perdido, para investimentos na qualificação das empresas (Inovação Organizacional e Gestão, Economia Digital e Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), Desenvolvimento e Engenharia de Produtos, Serviços e Processos, Etc.) 

 
 
Muito em breve surgirão mais novidades, por isso estejam atentos, mas apressem-se - alguns destes primeiros concursos tem períodos de abertura muito curtos!
Sobre o Autor

João Esmeraldo

Engenheiro e MBA, tem dedicado a sua carreira ao desenvolvimento de projetos e à consultoria de gestão, ajudando empresas a alcançar os seus objetivos através de uma abordagem integrada a projetos de investimento (planeamento, financiamento e implementação). Ocupa atualmente na ITBase / WareGuest o cargo de COO.

Artigos Relacionados

Como tirar partido da Meteorologia para uma melhor Gestão Hoteleira?

Na continuação dos posts sobre as diversas fontes de dados que estão à disposição dos hoteleiros para reunir informação importante para a tomada de decisão, neste post venho falar da meteorologia, algo que todos os hoteleiros sabem intrinsecamente que tem impacto na atividade hoteleira, mas que muito raramente tiram partido da facilidade com que se tem acesso a estes dados.

19.out.2017

Os preços enquanto fontes de dados

Continuando a abordar as diversas fontes de dados que estão à disposição dos hoteleiros para reunir informação importante na tomada de decisão, debruço-me agora sobre os preços - sobretudo aqueles a que os consumidores têm acesso online.

14.set.2017

Como está a sua Reputação Social?

Num post anterior falei da importância das diversas fontes de dados para a tomada de decisão em hotelaria. Com este post vou iniciar um conjunto de posts sobre a importância de cada uma das fontes de dados aí mencionadas. A primeira fonte de dados que vou abordar é a reputação social. Escolhi começar pela reputação social não porque está na moda, mas porque é um dos principais influenciadores das compras em hotéis, sendo que alguns estudos, referem mesmo que é o principal fator de decisão, ficando ligeiramente à frente do preço e da localização. A reputação social pode ser utilizada por uma unidade hoteleira para fazer análise comparativa com o seu competitive set, previsão de cancelamentos, previsão da procura, análise de segmentação, entre outro tipo de análises e previsões.

21.jun.2017

Artigos Recentes

Como tirar partido da Meteorologia para uma melhor Gestão Hoteleira?

19.out.2017

Os preços enquanto fontes de dados

14.set.2017

Como está a sua Reputação Social?

21.jun.2017